domingo, 24 de julho de 2011

Ah! Esse Amor



Ah! Esse amor quando chega
vem de mansinho, todo faceiro
que matreiro se instala no peito
impulsos ocorrem no corpo inteiro.

Ah! Esse amor quando esquenta
deixa a face toda rosada
abre as portas desta morada
brilhando nos olhos como estrelas.

Ah! Esse amor quando transcende
entra e sai por portas e janelas
que brinca de esconde-esconde
e só machuca corações sem dono.

Ah! Esse amor quando é cego
apenas sente ao se embriagar
faz um arraso ou estrago no peito
e só quem ama, é que pode falar.

Ah! Esse amor quando extasia
faz de mim um pobre mortal
das fantasias a pura realidade
do qual só esse amor é capaz.

Celso Ant. Dembiski