terça-feira, 26 de outubro de 2010

O Tempo é Tempo de que Tempo



Quem pode me dizer
O que é o tempo?
Como é este tempo afinal!
cada um a sua maneira
vê de uma forma peculiar
que numa fração de segundos
algo pode acontecer
pensamentos que vem e vão
assim passa-se o tempo
algumas coisas são presentes
noutras apenas futuro e passado
por vezes nada premeditado
ficamos a contar o tempo
não importa o que seja
no tempo fica a história
para num momento qualquer
ser lembrado a contento
eu mesmo, relembrando, com pesar
o tempo é uma incógnita
que não importa o quanto leve
o registro do tempo acontecer
nele ficará tudo marcado
se for realizado ou não
o que será que é o tempo
passado, presente ou futuro
bem, só sei dizer
que nele tudo ficará gravado.

Celso Ant. Dembiski

sábado, 9 de outubro de 2010

A Lua em Minha Vida



 Quando a noite chegar
depois que o sol se por
vou sair para caminhar
quando no alto despontar
a lua cheia a iluminar
que no esplendor do seu brilho
tocar os meus sentimentos
traçando caminhos no tempo
que me faz viajar acordado
buscando nos sonhos de outrora
a saudade que bate no peito
recordando maravilhosos momentos
como uma viagem sem fim
lentamente tudo vai passando
como um filme na tela
resgatando alegrias e sofrimentos
fazendo com que o peito vibre
por cada fase da minha vida
ali vividas no sub-inconsciente
olhando a lua que no alto fulgura
imponente e tão absoluta
quero te agradecer lua cheia
por me inspirar todos os dias.

Celso Ant. Dembiski

Livre Caminhar



Vou andando noite adentro
na suavidade que me envolve
pela gostosa brisa que cai
sinto meu corpo estremecer
pelos poros me entorpecer.

Quero desfrutar deste tempo
enquanto estiver a me acariciar
a suavidade da brisa morna
agasalha-me por inteiro
como um vestuário sobre a pele.

Deixo invadir meus sentimentos
um alento ao tempo perdido
que antes eu não soube aproveitar
por não me dar à chance
de deixar a noite me abraçar.

Num medo que era constante
procurava não mais sair sozinho
andar livre por qualquer caminho
sentia meu peito de oprimir
preso com medo de viver.

Agora que livre estou a caminhar
com minha alma a conversar
libertando os medos aprisionados
abrigo agora em meu peito
apenas a saudade do meu caminhar.

Celso Ant. Dembiski

Como Não Te Amar



Ah! Como eu posso não te amar
minha alma clama intensamente
faz-me sentir tantos tremores
percorrendo meu corpo por inteiro.

Ah! Como eu posso não te amar
se quando vou me deitar
sinto a falta que você me faz
porque mais uma vez estou sozinho.

Ah! Como eu posso não te amar
dos meus sonhos tudo compartilhamos
entregamo-nos de forma tão intensa
que nossas almas assim se completam.

Ah! Como eu posso não te amar
nos momentos em que mais preciso
você está ali para me amparar
dando-me seu carinho e amor.

Ah! Como eu posso não te amar
mesmo nos instantes de fraqueza
tuas forças tanto se multiplicam
mostrando que é tão forte e capaz.

Ah! Como eu posso não te amar
se é quando sinto no perfume das flores
no arco-íris o esplendor das cores
que estou a te procurar para amar.

Celso Ant. Dembiski