quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Fincou Raízes



Essa paixão chegou de repente
não avisou, nem recado mandou
apenas veio, e assim, se instalou
não quis saber dos problemas
como um fruto que é proibido
precisando ser liberado e saboreado
sem medo de ser aprisionado
na trama de uma teia
onde a aranha vem e te enleia
tentar fugir já não adianta
está enredado feito uma presa
sabendo que vai ser devorado
a cada instante vai consumindo
lentamente aos poucos sentindo
como um ferro em brasa ardente
queimando todo por inteiro
em um consentimento involuntário
a semente ali ficou plantada
sem poder dizer que não queria
a paixão brotou raízes profundas
que dali, tão fácil, não mais sairia.

Celso Ant. Dembiski

O Brilho do Meu Caminho



Oh! Majestosa lua
que portentosa brilha
irradiando meu caminho
eu sigo pelo brilho
procurando encontrar
a minha própria luz
que em algum caminho
simplesmente eu perdi
ficando entristecido
por um mal entendido
eu me deixei levar
fechei os olhos
e você já não estava lá
assim, tudo escureceu
no peito eu senti
que você partiu
carregando o meu brilho
num caminho desconhecido
a ti vou procurar
para ver nos seus olhos
o brilho do meu olhar
voltou para te iluminar.

Celso Ant. Dembiski

Sob o Olhar da Lua



Sob o olhar daquele luar
duas almas apaixonadas
buscando querer se encontrar
só, ainda não sabem
em que circunstância ocorrerá
pelas forças que se emanam
deste Universo majestoso
nos olhos surge o brilho
espelhados pelo belo luar
no peito cresce a esperança
que esse dia logo chegará
nos caminhos dessa vida
onde o amor os levar
sob o efeito do luar
no firmamento espalhadas
pelo brilho das estrelas
enfim, um dia se encontrar
completando assim, o cenário
duas almas apaixonadas
sob o olhar daquele luar.

Celso Ant. Dembiski

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Porta Aberta



Quando você chegar
entre sem bater
já não precisa fazer
a porta estará aberta
não importa quando for
estarei ao seu dispor
não faça qualquer alarde
espero por teus carinhos
não importa a hora
deixarei tudo pronto
para este nosso encontro
matando esta saudade
que no peito arde
por este tempo sem te ver
preciso me aquietar
só você para me acalmar
faz parte da minha vida
já é metade do meu ser
estando dentro de mim.

Celso Ant. Dembiski

Em Meu Cantinho



Sentada em seu lugar predileto
no frescor da manhã radiante
segurando seu chapéu preferido
admirando a paisagem distante.

Dispersa em seus pensamentos
com os olhos vidrados ao fundo
assim são os acontecimentos
distante da realidade do Mundo.

Das flores colhidas no campo
exalam um perfume maravilhoso
realçando em seu vestido branco

O tempo passa tão despercebido
sentindo a liberdade da vida
e que seu Mundo é mais colorido

Celso Ant. Dembiski

Borboletas



Ah! Que saudade danada
de quando eu era menino
atrás das borboletas eu corria
simplesmente eu as caçava
dentro de um vidro colocava
para poder admirá-las
só que eu não sabia
que uma lenda existia
de quem caçava borboletas
na vida nada aprendia
burro ficava de vez
de ano, na escola não passaria
até que um belo dia
essa história me contaram
e com isto eu aprendi
que meu Mundo era colorido
vendo as borboletas voando
pousando em todo lugar
enfeitando meu pequeno jardim.

Celso Ant. Dembiski