terça-feira, 12 de maio de 2015

Visto, me Desnudo



Quem foi que disse
que poesia não da camisa
não conhece a brisa
que nos envolve por completo
tanto que nos arrepia
e nos trás belas sensações
afaga o corpo inteiro
também aquece o coração
tendo sua própria musa
que tanto faz é inspirar
como também rir e chorar
deixa tudo de pernas pro ar
incendeia qualquer coração
abrindo as portas do Mundo
feito a mais bela flor
que tanto vem encantar
a brisa é minha camisa
que só quer agasalhar
assim, muito me inspira
sem ela eu não vivo
meu passado, presente e futuro
visto e me desnudo em poesia.

Celso Ant. Dembiski