quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Rompendo Barreiras




No romper do silencio
meu brado se fez alto
tamanha foi à alegria
que na tristeza eu vivia
não foi nenhum grito de dor
e sim, do mais puro amor
rompendo laços que prendiam
no silencio que me continha
nem tinha mais uma vida
que apagada ela se fazia
precisando de qualquer forma
explodir de dentro para fora
e somente com a conquista
para a felicidade extravasar
no peito um novo sentimento
de um amor tão verdadeiro
rompendo o instinto da dor
trocado pelo mais puro Amor.

Celso Ant. Dembiski