terça-feira, 9 de fevereiro de 2010



Sensibilidade não tem sexo
é como a flor que desabrocha
penetra na alma que se desnuda
transbordando as melhores sensações
sempre espalhando esperanças
da vida incomum
recrutando informações
para distribuir em sorrisos
demonstrando alegria ou tristeza
na simplicidade que se mostra
coloca-se com sabedoria
na vida de qualquer um.

Celso Ant. Dembiski