terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Por Vezes



Por vezes, sinto-me tão inseguro
querendo uma palavra de conforto
ou mesmo um ombro amigo
querendo alguém para conversar
dizer aquilo que já sabemos
mas teimam não querer entender.

Por vezes, sinto-me imaturo
como se eu nada na vida conhecesse
deixando passar alguns bons momentos
por medo de enfrentar a vida
nas coisas que já conheço
e tenho medo de não fazer direito.

Por vezes, sinto-me tão frágil
os sentimentos se despedaçando
como se eu estivesse em frangalhos
precisando colar cada pedaço
que se esmigalha com o tempo
corroendo-me todo por dentro.

Por vezes, sinto-me tão sozinho
busco querer encontrar um caminho
livrar-me desta angustia danada
que teima em meus sentimos ficar
não abrindo nenhum espaço
deixando de enfrentar a vida.

Por vezes, sinto-me tão desamparado
sem ter com quem poder contar
onde tudo o que eu tento fazer
estou sozinho e ninguém para ajudar
desorientados ficam até os pensamentos
fazendo-me também, na vida desacreditar.
Celso Ant. Dembiski