quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Noite sem Lua




No negrume dos olhos da noite
esconde minha sombra fulgurante
mal se vê o brilho refletido
no vento que brando tremula
trás no peito a chama ardente
boca aberta, o ar aspira
o peito acelerado bate
como um ataque de disritmia
na ansiedade do momento
até parece de melancolia
como de fato é só alegria
os pensamentos voam alto
no negrume da noite sem lua
aconchego-me na brisa suave
deleitando-me na paz que emana
como um sonho que lampeja
despejando pela fascinante madrugada
enfim, meus lábios sussurram
na noite escura sem lua
deixando o mistério no ar
a profunda vontade de amar
no delírio de um desejo profundo
dos lampejos dos belos sonhos
escondidos nos olhos da noite
como o beijo que adoça a boca
viajo pela noite sem lua.

Celso Ant. Dembiski